Maragogipe terá a primeira indústria especializada em beneficiamento de carne de fumeiro do Brasil

Text Resize

-A +A

Compartilhar

10/09/2013
Imprensa Seagri
Area de Interesse 
Institucional
Maragogipe terá a primeira indústria especializada em beneficiamento de carne de fumeiro do Brasil
 
 
 
Tradicional produtor de carne de fumeiro da Bahia, o município de Maragogipe terá em breve a primeira indústria especializada em beneficiamento deste produto no Brasil. Foi o que disseram o secretário estadual da Agricultura (Seagri), engenheiro agrônomo Eduardo Salles e o diretor geral da Agência Estadual de Defesa Agropecuária (ADAB), vinculada à Seagri, Paulo Emílio Torres, ao apresentarem aos pequenos produtores de Maragogipe, neste domingo (08), o anteprojeto da unidade de beneficiamento de produção de carne de fumeiro e derivados de suíno.
 
De acordo com Salles, a implantação da indústria vai diminuir os custos, otimizar a produção e a comercialização do produto terá qualidade comprovada. Além da carne defumada a indústria vai processar os derivados da carne suína, beneficiando as “fateiras” que utilizam os miúdos. “Conversei com a produtora de sarapatel Célia Santana de Jesus, que há 30 anos trabalha de forma artesanal na atividade, e comercializa o quilo do kit para sarapatel por R$ 6,00, produto revendido nos grandes mercados em Salvador, por R$18,00. A adoção da tecnologia da indústria vai aumentar o valor agregado do produto e garantir maior lucro para esses pequenos produtores”, disse.
 
De acordo com o vice-prefeito do município, Adhemar Luiz Novaes, “a construção da fábrica que regularizará a produção de carne e linguiças defumadas na região vai adequar-se às condições sanitárias estabelecidas pelo Ministério Público (MP), e isso tem custo alto. Por esse motivo, recorremos à Secretaria da Agricultura, para que em parceria pudéssemos construir uma unidade de beneficiamento e um frigorífico de pequeno porte”. Ele ressaltou, que o Estaleiro Enseada do Paraguaçu (EEP), empresa de grande porte do segmento naval comprometeu-se a arcar com os custos do projeto, e cedeu o serviço do arquiteto Henrique Morais, para desenvolvê-lo. “O Estaleiro será também o grande consumidor dos produtos fabricados na indústria de defumados. São realizadas em média 3.000 refeições diárias pelos funcionários do EEP”, destacou o vice-prefeito.
  
O projeto prevê ainda, a instalação de boxes para a comercialização dos produtos fabricados na unidade beneficiamento. O terreno está localizado estrategicamente em local de grande movimento e visibilidade, contando, além da planta industrial, com um ponto de venda dos produtos. “Nossa proposta é dar sustentabilidade à cadeia da carne, combater o abate clandestino e assegurar a alimentação da população com a oferta de carne e derivados sadios e de qualidade, aliados à sustentabilidade ambiental, social e econômica”, enfatizou o diretor Geral da Adab, Paulo Emílio Torres.
 
Maragogipe possui aproximadamente 500 pessoas, envolvidas diretamente na produção de carne de fumeiro e derivados, e têm a atividade como única fonte de renda. “A produção de carne de fumeiro é uma tradição em Maragogipe, que passa de pai para filho. Eu herdei essa vocação de meu pai, e meu filho atualmente trabalha comigo na produção de carne de fumeiro e sarapatel”, ressaltou o produtor de carne de fumeiro, Valfredo Carneiro.
 
Reunião com produtores
 
Após reunião com os produtores de carne de fumeiro, o secretário visitou o povoado do Irriquitiá, que se destaca na produção de inhame, aipim, mandioca e amendoim, localizado na zona rural de Maragogipe. O objetivo do encontro foi debater aspectos da agropecuária do município e as necessidades da comunidade. Assistência técnica, títulos de terras, aquisição de trator, criação de peixes e construção de casa de farinha, foram alguns dos assuntos abordados. “É a primeira vez que um secretário da Agricultura do Estado senta conosco para discutir nossas necessidades”, destacou a presidente da Associação dos Produtores Rurais do Irriquitiá, Irelande Sena da Silva.
 
Fonte:
Ascom Seagri
Jornalista: Viviane Cruz
Contato: (71) 3115.2737 /3115.2767